You are currently browsing the tag archive for the ‘r4f4’ tag.

Alou, agora estou postando no meu novo blog: http://r4f4.eai.fm esse segue como arquivo… e bla bla….

Anúncios
Cabelo

Cabelo

Do show ao vivo!

Passou por mim
com a cara
de bola da vez
fazendo um
Drum ‘n’ base
um beat acelerado.

Mexendo o cabelo
chamando ateno
rasgando no meio
a multido.

Entrou na rea
quebrou a banca.

s olhar
pra relevar
no d pra
ter sem ter
problema.

No est tinindo mas j tem uma musiquinha das antigas, uma das minhas primeiras experincias com loops… Tragam suas panelas!!! Myspace… http://www.myspace.com/r4f4qu4tro

4444444444444444444r4f4444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444

pausa respira
chuva preguissa
pensamento leve
nuvem boi

parando ferro
acento flutuante
queda livre
toco reles

aperto seus nmeros
na ordem de te achar
ouo sua chamada
onde ser que est

quando me pergunta
a identidade da voz
minha garganta falha
no emito mais som

pelas ondas perco voc
nem distante nem colado
no consigo ter coragem

medo de dizer algo
to profundo pra mim
e to errado pra voc

20 miligramas de lcool
uma dose de concreto
uma rampa em decreto
um rasgo imenso, um laudo

duas bolas de algodo
uma atadura no cho
um desvio de coluna
um inseto na retina

uma seringa, uma ponta sem dor
o tornozelo em cima do cap
debaixo da sombra um som

um corredor, um louco, uma via
no muro tem um gato que mia
na gaiola a gaivota pia

o dia seguindo
as letras
conforme os vazios
mantendo os fluxos

os padres as taxas
os iguais e os prximos

a poesia necessria
a palavra escrita
o som possvel

a banalidade do ser
a progresso do tempo
a era

os botes

a ateno necessria
verso e prosa
a calma distinta
o ar e o peito

o rtmo cadenciado
a ginga o jeito
a disposio devida
o trejeito

o descaso capilar
a raiz sem problema
uma besteira

o outro fonema
a mesma placa
disputa

vai saindo
serve s vezes
quatro

pede passagem
esquece troco
tanto

o sexto avesso dessa onda
como o prprio n de bandeja
seguindo a febre da primavera
molhando o p do serto

um poema e sete descasos
uma roda de nove caldos
dois trinados de sete
uma chuva de canivete

acomode-se em forma de co
como salsicha

Engula diariamente feijo
resista
Reduza os carboidratos a p
mantenha
Lustre garboso o contato
maizena

da poltrona
-da ca um cheiro

Assistimos diariamente passivos
progredimos e vamos morrendo junto
anossos restos se juntam os prximos
que se alimentam e esperam babando
os archaicos que despachamos
j enlouquecem na tumba

somos os prximos.

Precisando tem
Que no sendo pode.
outros viro
sem nem
perceber.

como continuar assim?

sendo estranho breve e opaco.

olhosrasos secos

encontro defendas

eco de farol alto

tenso de denso

pituberante

ω

speciaul

Bum
beinou

abefe
Peftloftlum
Cabumalabentos? flutuante?

e depois?

Cabe entre asmos
Tudo tres pernas

vai contar istria

risena sonego

NUNCA FUI EU!!!

Nem meu e nem.

No ar ranquei
ouro preserventes. depelei.